Pular para Navegação

Prof.ª Dra. Valéria Gil Condé

Possui doutorado em Letras pela Universidade de São Paulo (2003). É professora doutora da Universidade de São Paulo. Atua nas áreas de Filologia e Língua Portuguesa, em nível de pós-graduação e em Filologia Românica, em nível de graduação. A sua pesquisa está vinculada a estudos comparados do português às línguas iberorromânicas com ênfase nos seguintes temas: estudos históricos do português; morfologia histórica do português: teoria e prática em sala-de-aula; o português inserido na romania nova; origens da língua portuguesa; estudos comparados entre o galego e português modernos e línguas minoritárias românicas. É Diretora da Cátedra de Estudos Galegos da Universidade de São Paulo e responsável pelo convênio entre a Secretaría Xeral de Política Lingüística, Galicia. Coordena o convênio entre o Instituto Ramon LLull e a FFLCH/USP. Atua no comitê editorial da revista Estudos de Lingüística Galega.


Projetos de Pesquisa

1. Galego e Português brasileiro: história, variação e mudança

Descrição: Projeto conjunto de pesquisa em rede, no qual intervêm pesquisadores da Universidade Federal Fluminense, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Universidade de São Paulo e Universidade de Santiago de Compostela..

2. Língua Portuguesa: história, variação e tradução

Descrição: Este projeto pretende contribuir para o aprofundamento e conhecimento gramatical e lexical do português, variedades brasileira e europeia, partindo-se, quando necessário de comparação com as línguas iberorromânicas. A partir de estudos linguísticos em corpora, tanto sincrônicos quanto diacrônicos, serão privilegiados os seguintes aspectos: história, variação e tradução..

3. Núcleo de Apoio à Pesquisa em Etimologia e História da Língua Portuguesa

Descrição: Descrição: Diferentemente do que ocorre com a maior parte das línguas europeias (inglês, francês, espanhol e italiano), os dicionários da língua portuguesa são bastante falhos no tocante aos seus dados etimológicos. Confunde-se derivação sufixal e prefixal com etimologia, confunde-se étimo da palavra com sua origem remota, não há cuidado suficiente com étimos de línguas ágrafas e desconhece-se muito da influência árabe, sem falar da abundância de étimos fantasiosos que descaracterizam o estudo etimológico como um trabalho científico. A mídia e a internet contribuem para a divulgação de soluções fantasiosas, sem que os estudos acadêmicos na área de Linguística Histórica e Filologia consigam expor suas conclusões sobre o assunto. Como aconteceu com a Estilística, as pesquisas etimológicas de caráter científico foram muito produtivas até a década de 20 do século XX, quando estiveram no seu auge, no entanto, eventos históricos e ideológicos promoveram o esquecimento de muitas técnicas e resultados. Alicerçados na pesquisa linguística, os estudos etimológicos voltaram sobretudo a partir da década de 90 e hoje há ferramentas importantes para se desenvolver pesquisas de qualidade no nível acadêmico, que possam contribuir para a mudança da visão da sociedade sobre o tema. Nesse sentido, esta pesquisa sobre datação das primeiras ocorrências das palavras portuguesas, apresentada pelo NEHiLP é o primeiro passo para a criação de um novo dicionário etimológico da língua portuguesa.


Grupos de Pesquisa

Etimologia da Língua Portuguesa

site / DGP

Gramáticas: história, descrição e discurso

site / DGP

Grupo de Pesquisa Galego e Português (PE e PB)

site / DGP

Morfologia Histórica do Português

site / DGP


 

Email: vgconde@usp.br

Currículo Lattes



Dr. Radut Consulting